FIQUE EM CASA, por que 'a situação, infelizmente, é muito grave', admite Secretário de Saúde

Atualizado: Mar 26

Com hospitais da cidade lotados, Rodrigo Oliveira fez um apelo à população para que respeite o período de isolamento

Rede hospitalar de Niterói está perto do colapso. Divulgação/Prefeitura de Niterói


"O cenário da pandemia é o mais grave e aponta para semanas muito difíceis no Rio de Janeiro". A fala foi do Secretário Municipal de Saúde, Rodrigo Oliveira, e deu o tom da live da Prefeitura de Niterói, nesta quarta-feira. Na primeira transmissão do gabinete de crise da cidade após o anúncio do isolamento da semana que vem, não faltaram apelos para que a população colabore para evitar o caos.


Leia mais: Ocupação das UTIs Covid privadas vai a 82% em Niterói e 97% em São Gonçalo


Rodrigo Oliveira citou dados alarmantes da rede hospitalar da cidade, que já está seriamente pressionada pelo aumento do números de contaminados. O Secretário usou os dados de internação na rede privada, cuja ocupação dos leitos de UTI chegou a 82% nesta quarta, e da rede pública, que também está em cerca de 80% para explicar o que levou à decisão de "fechar" a cidade.


— Não fazer isso [medidas restritivas] é correr o risco de outros estados de apostar que a rede hospitalar vai suportar.


Veja também: Cresce o número de gestantes com Covid-19 internadas em Niterói


Oliveira pediu, ainda, a colaboração dos empresários e da população durante esse período de turbulência. Ele lembrou que a cidade lidou bem com a pandemia no passado e que a expectativa é de que a experência se repita. O momento, no entanto, é de gravidade.


— A gente corre sérios riscos de aumentar a calamidade — admite. — Até a gente receber vacina suficiente, a única forma de evitar essa tragédia é ficando em casa, reduzindo a circulação e tomando todos os cuidados saintários que vocês já sabem.


De acordo com dados divulgados nesta quarta-feira pelo sindicato que representa os hospitais particulares, a taxa de ocupação das vagas de UTI em Niterói continua a crescer: chegou a 82% dos quartos reservados para doentes de Covid nos hospitais particulares. Em São Gonçalo, a ocupação das UTIS particulares subiu de 64% para 97%.