Surfistas enfrentam as desafiadoras ondas do Shock, em Itacoatiara

Atualizado: Jul 18

Ressaca deixa praia de Niterói com tubos que atraem campeões e admiradores do esporte


Ondas gigantes na Laje do Shock, em Itacoatiara, em reprodução de vídeo de Pedro da Matta


Deu tubão na Laje do Shock. Um não, vários, em sequência, levando surfistas acostumados a ondas grandes para Itacoatiara. O mar está grande desde o fim de semana passado, mas subiu muito nos dois últimos dias nas praias oceânicas de Niterói. As ondas do Shock são consideradas as mais difíceis e desafiadoras do Brasil no inverno. A frente fria, com queda brusca de temperatura, chuva e ventos marinhos, provocou ondas de até 3,5 metros de altura em Itacoatiara e nas praias da vizinha cidade de Maricá.


A tenebrosa Laje do Shock, atrás da pedra do Pampo, registrou tanto nesta quarta (15) como na quinta (16) ondas assustadoras. Os surfistas chegam à laje ou de town-in (levados por jet-ski) ou pulando da pedra, numa manobra arriscada e pouco comum entre os surfistas mais ajuizados.


O site ricosurf.com.br fazia o alerta nesta quinta-feira (16): “Condições difíceis” para o surfe em toda a extensão de Itacoatiara. Tanto no Costão (canto esquerdo) quanto no Pampo (direito) e no Meio. Embora seja uma praia pequena, com 700 metros de comprimento, Itacoatiara é dividida nestas três áreas. Cada uma delas com uma característica diversa para a prática do esporte.


Desta vez, desde quarta-feira, as condições estão ruins nas três. Ondas desordenadas, muito fortes e em sequência assustavam os que foram até a praia na esperança de, apesar do frio, encarar o mar agitado.


Em Itacoatiara, o auge da ressaca aconteceu nesta quarta (15), quando as ondas atingiram os 3,5 metros. Às 6h desta quinta, havia na praia ondulações de 3 metros de altura. Em Piratininga, no mesmo horário, 2,8 metros, de acordo com o site surfguru.com.br. A força das águas fez sumir a faixa de areia e chegou ao calçadão de Piratininga.


Muito surfista experiente, com conquistas mundiais nas ondas grandes, foi para Itacoatiara. Um deles foi Pedro Calado, vice-campeão mundial no circuito de grandes ondas na temporada 16/17. Ele pegou um tubo que está circulando na web. Em depoimento ao Canal Surfe TV, Pedro Calado contou:


- Eu me arrisco a dizer que foi o melhor swell que já peguei no Rio de Janeiro. O mar estava difícil, estava pesado. Cheguei cedo, fiquei até uma hora. Fui comer alguma coisa e fiquei olhando o mar. O mar cresceu muito, ganhou tamanho. Me marcou bastante. Vai ficar na memória para sempre - contou Pedro Calado.


Lucas Yan Cabral Azeredo Chianca, mais conhecido como Lucas Chumbo, brasileiro considerado um dos melhores atletas de ondas grandes do mundo, também está em Itacoatiara enfrentando as desafiadoras ondas do Shock.


Desde o dia 2 de julho está rolando o prêmio Onda do Inverno 2020, que vai eleger a melhor onda desta temporada em Niterói. O concurso vai até 31 de outubro.


Na praia de Barra de Maricá, onde o mar bravio assusta até tubarão, segundo reza a lenda, a faixa de areia desapareceu, tal a força dos vagalhões. Conforme comunicado da Marinha, a ressaca no litoral niteroiense deverá perder a força a partir da manhã desta sexta-feira (17).


A ressaca também castigou a praia de Piratininga, com a água chegando ao calçadão.




728x90.gif

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.