Feriadão será de tempo nublado, trânsito na ponte e ciclismo em Niterói

Adeptos do esporte dizem que cidade tem espaços perfeitos para pedaladas


Por Suzana Moura

Adeptos do ciclismo se divertem nas trilhas do Parque da Cidade


Mais um feriadão chegando e, com a pandemia do Covid 19, a solução dos niteroienses tem sido optar por programas ao ar livre. Com as praias da cidade restritas para a prática de atividades físicas, as trilhas, passeios de bicicleta e caminhadas no calçadão de São Francisco no fim de tarde têm se tornado cada vez mais frequentes. Além disso, a prática de passeios e treinos de ciclismo também roubam a cena.

O Parque Natural Municipal de Niterói, mais conhecido como PARNIT, abriga o Parque da Cidade e, além da subida e contemplação do pôr do sol, tem diversas trilhas para adeptos da prática de Mountain Bike.


Para que as trilhas do espaço sejam bem cuidadas, nasceu há alguns anos o projeto Niterói Bikers, que consiste na manutenção e construção de trilhas de mountain bike no local, com a supervisão e autorização da Prefeitura. Bruno Padilha, responsável pela ação, conta que, com a evolução do esporte, as trilhas foram se tornando cada vez mais técnicas. Atualmente, o espaço tem um dos maiores e mais técnicos circuitos para treinos do segmento do estado. Ele conta que, na pandemia, houve um aumento no uso das trilhas, que são compartilhadas, para bicicletas ou para quem curte uma trilha.


- O uso da bike junto à natureza atraiu muitos novos praticantes, o que é super positivo para o PARNIT e a cidade de Niterói, diz.


Cerca de 95% das trilhas do PARNIT são de uso compartilhado entre bikes e pedestres ou exclusivo para pedestres e apenas 5% exclusivo para bicicletas. Nos últimos meses na gestão do PARNIT,o grupo adotou um sistema de sinalização internacional para que os usuários saibam o grau de dificuldade da trilha, o sentido correto e se ela é de uso compartilhado ou exclusivo para bicicletas, aumentando a segurança. Hoje, o parque possui 4 trilhas de uso exclusivo de ciclistas, que, somadas, têm cerca de 3km, com diferentes níveis de dificuldade e obstáculos: Waimea (Pista de Downhill Racing), Formigão, Tonhos e Fat Trail (Xco/Enduro).


- Nosso grupo de atletas voluntários atua tanto nas trilhas exclusivas como nas trilhas de uso compartilhado. A importância de um manejo correto na trilha, evita impactos ambientais e a torna sustentável. A cena do Mountain Bike nunca esteve tão forte no Estado do Rio e Niterói tem atletas em destaque no cenário nacional que começaram e treinam até hoje aqui - comenta.


Trilhas totalmente sinalizadas para quem vai de bicicleta ou a pé


Informações importantes para quem faz uso das trilhas técnicas


O engenheiro florestal e membro da Diretoria de Bike e outros modais da Rede Brasileira de Trilhas, Ciro Moura, explica que o Parque da Cidade tem em seu interior e entorno cerca de 50 km de trilhas que estão em boas condições.

-As trilhas do local são usadas há anos e contam com a ação voluntária dos praticantes, além de estarem sendo catalogadas e mapeadas pela prefeitura, em parceria com o projeto que atua no espaço, diz.


O designer Mário Campos tem uma rotina agitada intercalando trabalho em empresa, freelancer e e-commerce e pedala para aliviar o estresse e se distrair. A paixão pelo esporte fez despertar o interesse na comercialização de produtos direcionados às bikes e ele criou sua própria empresa, a CAMELIN, na qual comercializa produtos nacionais buscando a valorização dos mesmos.


- Pedalo três vezes por semana e tento manter uma rotina de treino duas vezes entre segunda e sexta-feira em trechos próximos a minha residência e no final de semana trajetos mais técnicos e longos. As trilhas de Niterói são ótimas e em grande parte sinalizada, existe uma rede de voluntariado que consegue manter e preservar as trilhas para a prática do esporte, conta.


O designer Mário Campos em um dos seus pedais na Serra da Tiririca


Mário afirma que Niterói tem uma vocação para o esporte principalmente no Mountain Bike, com trilhas de todos os níveis, para iniciantes e para quem está bem treinado. Segundo ele, existe falta de conhecimento da população a respeito destas opções de lazer ficando restrito ao conhecimento de grupos de ciclismo e praticantes de corrida apenas.


- É uma pena, pois uma maior circulação de pessoas traz segurança e visibilidade aos locais das trilhas. Comecei a pedalar há 10 anos, alternando asfalto e trilha. Durante a pandemia, o ciclismo se tornou uma opção para praticar alguma atividade física, longe de grupos de pedal. Treino praticamente sozinho em locais de pouca circulação trazendo segurança e bem-estar para minha saúde e ajudando na saúde mental neste momento, conclui.


Pedalar e correr faz parte da rotina do farmacêutico Jouber Ribeiro, há 4 anos e a paixão o fez fazer dos dois esportes um hobbie.


- Comecei a fazer atividades físicas em 2016, por motivos de saúde e há três anos virou um hobbie. Pedalo e corro todos os fins de semanas, e todos os dias da semana intercalados eu pedalo e corro. Niterói possui bastante variedade de trilhas, tanto de bike quanto de corrida. Em tempos de pandemia, me adaptei para fazer minhas atividades de forma individual e com uso de máscara, conta.


Jouber Ribeiro na Pedra do Santo Inácio, no Parque da Cidade


Tempo


Os fins de semana na cidade têm sido de tempo instável e no feriadão o cenário vai se repetir. De acordo com Instituto Nacional de Meteorologia - Inmet, no sábado (31), o tempo fica nublado com pancadas de chuva e trovoadas isoladas, a temperatura mínima fica em torno de 18 ° C e a máxima em 22 ° C. No domingo (1), o tempo continua nublado com termômetros marcando a mínima de 17 ° C e a máxima de 22 ° C. No feriado, dia 2, a chuva vai aparecer em alguns pontos com temperatura mínima de 15 ° C e máxima de 25 ° C.


Praias


O último boletim de balneabilidade por município divulgado pelo Instituto Estadual do Ambiente - Inea, informa que a maioria das praias da cidade estão próprias para banho, exceto a Praia de Icaraí (trecho em frente à Rua Mariz e Barros), São Francisco, Charitas (trecho em frente à Avenida Quintino Bocaiúva n° 355 e em frente à Travessa Santa Cândida), Jurujuba e Eva. O órgão recomenda evitar o banho de mar nas primeiras 24 horas após a ocorrência de chuvas de maior intensidade e nas proximidades de saída de canais ou galerias de águas pluviais.


Trânsito


Quem vai aproveitar para passar o fim de semana fora da cidade e ir para a Região dos Lagos, deve estar atento a grande movimentação na estrada. A Arteris Fluminense, concessionária que administra a BR 101, estima que na saída do feriado, o período com maior movimento deve se concentrar a partir das 14h até 20h desta sexta, no sábado (31), entre as 7h e 14h. Já no retorno, o maior movimento ocorre na segunda-feira (2), das 13h às 20h. No último feriada, em 12 de outubro, a Ponte Rio-Niterói registrou pela primeira vez um movimento semelhante ao dos períodos anteriores à pandemia.


Barcas


A CCR Barcas vai operar com a grade de fins de semana no sábado (31), domingo (1) e segunda(2). A linha Charitas segue sem operação e a linha Cocotá não funcionará. Já na linha Arariboia, as travessias acontecem a cada 60 minutos das 5h30 às 20h30 no sentido Niterói-Rio, e das 6h às 21h no trajeto Rio-Niterói. Quem deseja passar o dia na Ilha de Paquetá, deve consultar os horários no site da empresa: http://www.grupoccr.com.br/barcas/noticias/medidas-contra-o-coronavirus?id=4081.

Para evitar aglomeração no interior das estações e nos barcos, as roletas estão programadas para que o número de passagens disponibilizadas seja exatamente igual ao número de assentos da embarcação da vez. O uso de máscaras é obrigatório.


728x90.gif

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.