Um cenário desolador em Icaraí na pandemia

Principal shopping do bairro e mais antigo da cidade tem galerias de lojas fechadas


Por Silvia Fonseca, reportagem e fotos


Em apenas um canto do segundo andar, a foto mostra três lojas fechadas (duas à esquerda e uma à frente)


As placas de “Aluga-se” vão deprimindo quem entra nas galerias


Chegou mas já foi embora: empregos fechados


O retrato do estrago da Covid-19 no comércio de Niterói tem nome, sobrenome e endereço. Shopping Icaraí, Rua Moreira César 229. Entrei lá pela primeira vez nesta quarta-feira (15), depois de mais de 120 dias sem pisar naquelas galerias. O cenário é desolador. Um temor no ar e a tristeza de imaginar quantos empregos, quantas famílias estavam por trás de cada uma das placas que agora anunciam friamente: “Aluga-se”.


“Aluga-se”, “Aluga-se”, do térreo até a sobreloja fui contando, uma, duas… três, oito, nove, onze lojas fechadas. Pelo menos. Negócios encerrados definitivamente na pandemia. Onde foi parar aquela cafeteria em que eu gostava de ficar, de uma mesa, observando as pessoas passarem? E a loja de bijuteria que estava ali na esquina há anos e anos? E a joalheria do niteroiense tão criativo? Desapareceram todos, cobertos hoje por papel pardo ou vitrines nuas, com o minúsculo “Aluga-se” que não esconde o que se passou ali.


É emblemático porque o Shopping Icaraí é o primeiro centro comercial da cidade a ser chamado de shopping. O prédio que parece um caixote está fincado no meio do trecho mais movimentado do bairro, entre as Ruas Lopes Trovão e Otávio Carneiro, desde 1983. Tem intensa circulação o dia todo. Além das 78 lojas no térreo e no segundo andar, são mais 264 salas na torre, distribuídas em dez andares, além das garagens.



O médico angiologista Márcio Maia Lima, de 50 anos, tem consultório no prédio do Shopping Icaraí há 15 anos. Parou de atender no período mais duro do isolamento social contra a Covid e reabriu o consultório há três semanas. Ele conta que também ficou muito triste com o que viu na volta:


- Normalmente não passo pelas galerias do primeiro e segundo andares porque vou direto para a minha sala. Mas precisava comprar uns produtos médicos e, ao descer no segundo andar, fiquei surpreso e entristecido com a realidade. Várias lojas fechadas, com cartazes de "Aluga-se". É um choque de realidade, pensar em quantas pessoas, naquele pequeno universo, perderam seus empregos, quantos empresários perderam seus negócios, que antes já estavam lutando com todas as forças para mantê-los. A esperança é que essa pandemia seja controlada, os estímulos prometidos pela prefeitura venham o mais rapidamente possível, o comércio se recupere e a cidade volte a sorrir...


Lojas fechadas não são, porém, exclusividade dali. Em toda a Moreira César é possível ver as placas que indicam a entrega das chaves. As associações do comércio estimam que cerca de 30% dos estabelecimentos comerciais da cidade não resistiram aos quatro meses de portas cerradas, sem receita para cobrir salários de funcionários, impostos, condomínio, luz, aluguel…


Mas num ponto ou outro há sinais de retomada. As lojas que puderam reabrir recentemente aos poucos, gradual e timidamente, começam a ver clientes de volta. E vão buscando alternativas, novos investidores, novos negócios. O espaço que fica exatamente na esquina de Lopes Trovão com Moreira César, onde funcionava há anos uma loja de bijuterias, está em obras e ganhando decoração nova. Vem novo comércio ali, novos empregos…


A feira que está sendo realizada temporariamente na loja onde funcionava uma Mundo Verde, na Moreira César


Também na Moreira César, a loja do Mundo Verde que ficava no número 75 fechou. Mas agora o espaço está sendo usado temporariamente pela ITB (Icaraí Top Bazar) para realizar a Feira de Moda & Entretenimento, que reúne diversos artesãos e micro empresas da cidade. A feira, que costumava ser realizada no terceiro andar do Central Prime, está na antiga loja da Mundo Verde desde o dia 13 de julho e vai até 25 de julho, das 12h às 20h.


Como disse o prefeito Rodrigo Neves ao lançar nesta quarta o Plano de Retomada da Economia, Niterói está perto de poder anunciar o controle da pandemia de Covid-19. Depois de tanta tristeza, casas e portas fechadas, que os bons ventos cheguem logo, para todas as famílias e todos os setores.


A joalheria de Bruno Latini, que por anos fez parte da “paisagem” do Shopping Icaraí






728x90.gif

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.