Um guia para percorrer as trilhas de Niterói

Cartilha incentiva moradores e turistas a conhecerem melhor as partes naturais da cidade e também a ter mais cuidado com a natureza

A Prefeitura de Niterói lançou, nesta quinta (10), o Guia de Trilhas de Niterói, incentivando moradores de turistas sobre a prática de caminhadas na mata, além de divulgar um mapeamento feito e incentivar a preservação delas. Além disso, o leitor encontra as trilhas ideais para trekking, escalada, ciclismo de trilha (mountain bike) e conselhos voltados para a prática de educação ambiental. O lançamento aconteceu durante transmissão feita ao vivo no perfil oficial da Prefeitura no Facebook. De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade, Eurico Toledo, afirmou que o guia é fundamental para desenvolver o ecoturismo em Niterói, além de somar com outras publicações que abordam temas ligados à preservação ambiental. - Lançamos hoje o Guia de Trilhas de Niterói, que será essencial para o ecoturismo e vai orientar niteroienses e turistas na contemplação da natureza, prática de esportes radicais e recreação, entre outras atividades que podem ser realizadas nas nossas florestas urbanas. O guia vem somar às publicações que nossa equipe técnica e voluntários desenvolveram ao longo da gestão, como o primeiro Atlas das Unidades de Conservação do Município de Niterói, o Guia Botânico e o Manual de Arborização Urbana de Niterói", explica Toledo. Atualmente, Niterói tem seis lugares com mais de uma trilha em alguns desses locais; São elas: Parque Natural Municipal de Niterói (Parnit), em São Francisco; o Parque Estadual da Serra da Tiririca (Peset), que liga Itaipu a Itaipuaçu, em Maricá; Área de Proteção Ambiental (APA), do Morro do Morcego, que liga da Fortaleza de Santa Cruz aos Fortes do Pico e Rio Branco, todos em Jurujuba; a APA da Água Escondida, no Morro do Boa Vista; Horto Botânico de Niterói, no Fonseca; e a Reserva Extrativista Marinho de Itaipu. Dentre as trilhas mais conhecidas da cidade, está o Caminho Darwin, que liga Niterói a Maricá, dentro da Serra de Tiririca. O nome é uma homenagem ao naturalista inglês Charles Darwin, que visitou o local durante sua viagem ao Brasil enquanto escrevia seu conhecido livro "A Origem das Espécies", que é a base de explicação para a Teoria da Evolução. O guia também aborda sobre a sinalização de outras trilhas que também são abertas aos aventureiros, como a do Morro da Viração, que é um trecho de cinco quilômetros ligando São Francisco ao Cafubá; e a Ilha do Pontal, na Lagoa de Piratininga. A fotógrafa Amanda Respício é uma das adeptas das trilhas pela cidade. Apesar de não fazer a caminhada pela mata atualmente por causa da pandemia, ela espera que o guia possa trazer mais consciência aos frequentadores sobre a importância do cuidado com a natureza e a preservação ambiental. Ela revela que já encontrou lixo na trilha do Bosque dos Eucaliptos, no Parque da Cidade. E por inúmeras vezes, a própria fotógrafa já recolheu o que encontrou de lixo pela mata. - Espero que esse guia possa conscientizar mais a população para não jogar lixo na floresta. Quando vou no Bosque dos Eucaliptos, eu mesma pego uma sacolinha e saio recolhendo tudo o que vejo pela mata porque eu amo aquele lugar. Lá é a minha trilha preferida, porque além de ser uma trilha de fácil acesso, os eucaliptos deixam o ar mais puro, é intuitiva e tem aquela sensação de escape da selva de pedra", conta Amanda. Para quem quiser saber mais detalhes sobre o guia, pode acessar o site http://sigeo.niteroi.rj.gov.br/ ou pelo https://www.smarhs.niteroi.rj.gov.br/. Área de anexos


© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.