Vem mais vacina AstraZeneca por aí, mas ainda em ritmo lento

Fiocruz receberá remessa de insumo da China no dia 12 de junho e tenta acelerar novas entregas


Vacinação em Niterói. Foto Divulgação


Depois de ter tido que paralisar a produção de vacinas contra Covid por falta de insumos, a Fiocruz divulgou nesta segunda-feira (7) que foi confirmada a chegada, neste sábado (12/6), de nova remessa de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) da China. A Fiocruz depende da chegada de IFA para manter a produção. Segundo a Fundação, a aceleração da entrega dessa remessa permitirá a continuidade da produção da vacina AstraZeneca (Fiocruz/Oxford) e garantirá entregas semanais da vacina ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) até 10 de julho.

Leia também: Número de casos de Covid dá um salto e aumenta 48% em Niterói em uma semana


A AstraZeneca tem garantido entregas mensais de lotes de IFA, conforme acordado, segundo ainda a Fiocruz. A fundação aguarda confirmação da possibilidade de aceleração das próximas remessas de IFA, uma vez que a instituição permanece com capacidade de produção superior à de disponibilização do insumo chinês. Por enquanto, a Fiocruz ainda não desenvolve o insumo para a vacina 100% nacional.

A partir desta semana, as entregas de doses de vacina ocorrerão em duas remessas, sendo uma às sextas-feiras, para o Estado do Rio, e outra aos sábados, para o almoxarifado central do Ministério da Saúde em São Paulo, de onde os imunizantes serão distribuídos aos demais estados federativos. A mudança se deve a um pedido da Coordenação de Logística do próprio Ministério da Saúde.


Desde o início da vacinação no país, a Fiocruz já passou o Instituto Butantan em entrega de vacinas ao PNI porque o instituto paulista também sofreu, e por mais tempo, com os atrasos na entrega de insumos pela China.