Viradouro faz Ocupação Cultural e oferece cursos de inglês e espanhol de universidade do Texas

Ocupação Cultural Artística do Viradouro promove atividades em meio a denúncias de violência na ocupação policial na comunidade


Por Alessandro Conceição, morador do Conjunto de Favelas do Viradouro


Curso de idiomas no Viradouro. Foto: Divulgação


Além de lutar contra a violência policial e pedir respeito, as mulheres da OCA,

Ocupação Cultural e Artística do Viradouro, em Niterói, RJ, buscam ações voltadas

para a educação e para as moradoras da comunidade, principalmente as crianças e

adolescentes. A parceria mais recente resultou no Programa Línguas na Viradouro,

uma parceria entre a OCA e a Universidade Texas A&M – Corpus Christi, uma

universidade no sul do Texas, Estados Unidos. Desenvolvido e coordenado pela

doutora Mara Barbosa, brasileira radicada nos Estados Unidos. O programa tem como

objetivo ensinar inglês e espanhol a crianças e adolescentes moradores da Viradouro.

As aulas vêm acontecendo às segundas-feiras, desde 24 de maio, uma turma pela

manhã, com os adolescentes, e outras à tarde, com as crianças. A primeira aula

aconteceu a céu aberto, na pracinha do Viradouro, todas as criaças e adolescentes

usando máscaras e álcool em gel. Para evitar transtornos em dias de chuva, já foi firmada parceria com a Escola de Samba Folia do Viradouro e as aulas estão acontecendo no barracão da agremiação.


Apesar da boa notícia, a comunidade ainda sofre com a ocupação policial. Na mesma

segunda-feira, dia 24 de maio, moradoras do Morro do Africano relataram que os

"lençóis/protesto", com a mensagem #LAR DE MORADORA, RESPEITE, foram retirados

de algumas janelas e/ou esfaqueados pela polícia. No dia 30 de maio, um jovem foi preso acusado pela polícia de integrar o tráfico de drogas. Alegação que foi contestada pelos familiares do mesmo, pela comunidade e pelas mulheres da Oca, que fizeram

abaixo assinado contra a prisão arbitrária. O jovem trabalha nas obras

realizadas pela prefeitura de Niterói na comunidade.


Contras esses novos abusos, as mulheres da OCA irão realizar uma nova ação cultural

no dia 12 de junho, a partir das 10h em toda a comunidade.


SOBRE O PROGRAMA DE LÍNGUAS NA VIRADOURO:


Com a constatação de que o sujeito não usa línguas somente para se comunicar, mas

também para se posicionar no mundo, o programa não ignora que as línguas

ensinadas são línguas colonizadoras. Contudo, o não conhecimento dessas línguas

pode contribuir para a marginalização do sujeito no mundo. Por isso, o programa visa

que o aluno aprenda a língua do opressor, mas sem ser colonizado por ela. Assim, é

importante que os alunos decidam o que querem aprender através de discussões com

a instrutora. Todo o conteúdo do curso é negociado para refletir os reais interesses dos

alunos e as formas como eles querem agir no mundo através das línguas que

aprendem.


O texto foi encaminhado ao A Seguir: Niterói por Alessandro Conceição, como sugestão de pauta. Entendemos que a publicação, tal como foi encaminhado, expressa a situação da comunidade e a mobilização dos moradores na busca de justiça e inclusão social