Arte na rede, incentivo para a cultura sobreviver à pandemia

Presidente da FAN diz que setor é um dos mais prejudicados, mas que Niterói é um ponto fora da curva no combate à Covid Por Carolina Ribeiro André Diniz, presidente da Fundação de Arte de Niterói André Diniz da Silva é pesquisador da música popular brasileira, professor, historiador e escritor. São mais de 20 obras publicadas que contam a história de grandes artistas e ritmos que envolvem Niterói e todo o Brasil. Aos 50 anos, é também presidente da Fundação de Arte de Niterói (FAN) desde 2013, participando da criação e do desenvolvimento de diferentes projetos. Formado em História pela UFF, mestre em Memória Social e Documento pela Unirio e doutor em geografia cultural também pela UFF, André Diniz já foi Secretário municipal de Cultura de Niterói e chefe da Representação dos Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo no Ministério da Cultura antes de retornar à FAN. Durante a pandemia, promove lives e debates com artistas e gestores e também escreve o livro "Memórias da quarentena: crônicas, contos e invenções fluminenses". No início da quarentena contra a Covid-19, a cidade lançou o edital Arte Na Rede, que selecionou artistas para apresentações on-line por meio das redes sociais da prefeitura, mas André adianta que também será enviada a Câmara de Vereadores um projeto de lei de auxílio emergencial à cultura. A ideia, conta ao A Seguir: Niterói, é assegurar verba mensal para a cadeia produtiva do setor. Um outro projeto semelhante já tramita na Câmara. O coronavírus alterou a vida de milhares de pessoas ao redor do mundo. Especialistas dizem que o setor da cultura será um dos mais impactados. Como vê o impacto da pandemia na cultura no geral? E em Niterói? Certamente o setor da cultura é o mais prejudicado, infelizmente. E deve ser também o último a retomar suas atividades, segundo informações de especialistas. Acho que o meio cultural, os espaços, como museus e teatros, estão se adaptando no mundo inteiro ao "novo normal". Alguns trabalham com 25% da capacidade dos seus espaços. Mas isso em um sociedade que controla e vigia o avanço do vírus. Se depender do governo federal e de algumas cidades não teremos tão cedo esse novo normal. Entretanto, Niterói é um ponto fora da curva, uma cidade de padrão europeu no combate ao vírus. Se tem uma cidade que pode no futuro flexibilizar a utilização dos seus espaços culturais, essa cidade é Niterói. Pelo padrão de gestão competente na pandemia. Em sua visão, como os trabalhadores da cultura puderam ou devem se reinventar para sobreviver a esse período? Não só da cultura, mas de todos os trabalhadores. Acho que as conversas, reuniões, shows, atividades culturais pelas redes sociais vieram pra ficar. Se a humanidade não reinventar um novo modo de vida, sem destruição avassaladora do meio ambiente, sem tanta globalização, sem tanta desigualdade social, o coronavírus será ‘fichinha’ pelo que virá pela frente. Tramita na Câmara de Vereadores de Niterói um projeto de auxílio emergencial para o setor cultural, incluindo trabalhadores, coletivos e instituições culturais. Como vê projetos desse tipo? Quais tipos de auxílio deveriam ser adotados? Como incentivar e desenvolver ainda mais o setor em Niterói, sobretudo durante e após a pandemia? Niterói é uma cidade essencialmente cultural. Arthur Maia, saudoso, dizia duas coisas: "músico de Niterói só atravessa quando vai pela ponte" e "Niterói é um cidade tão artística que pra entrar nela tem que pagar couvert!" Nós fizemos um sistema de cultura na cidade, em debate com a sociedade, lei de incentivo, editais, pontos e pontões de cultura, ações locais, investimentos em shows e em atividades culturais em nossos espaços. O artista da cidade passou a viver da sua arte na própria cidade. Era um aporte de 20 milhões por ano. Óbvio que agora, na pandemia, as atividades e os investimentos diminuíram, mas fomos um dos primeiros a lançar fomento para os artistas da cidade com o Arte na Rede, no valor de R$ 1 milhão, e vamos pagar agora o edital de Audiovisual, de R$ 4 milhões, e o edital de pontos e pontões de cultura, Cultura Viva e ações locais. O prefeito irá mandar em breve uma mensagem para a Câmara de vereadores, uma lei de emergência à cultura, assegurando verba mensal para a cadeia produtiva do setor similar à Lei Aldir Blanc, no plano federal. Devido às regras de isolamento social, as lives dominaram as redes sociais. Você também está fazendo diferentes debates por meio do Instagram. Qual a importância deste tipo de debate neste período? Acho que as lives e os debates tocam em vários pontos importantes. Passar informações de qualidade para a sociedade, criar um espaço de entretenimento nesse confinamento infernal e, para alguns, meio de sobrevivência, para outros, como eu, uma forma de contribuir um pouco com o período nebuloso que vivemos. As minhas lives na rede chegam a ter 12 mil visualizações. Gosto dessa ideia de informar as pessoas. Além das lives e dos debates culturais, como André Diniz tem enfrentado a pandemia? André Diniz continua trabalhando muito na FAN. Acho que trabalhamos mais agora que antes, o telefone não para. Estou terminando um livro de memórias, feito nessa quarentena, "Memórias da quarentena: Crônicas, contos e invenções fluminenses", que devo lançar em setembro. Também estou preparando a minha tese de doutorado para publicar, sobre Black Music no Rio de Janeiro dos anos 70, e estou lendo muito. E engordando também... Acredita que Niterói fez um bom papel no combate ao coronavírus? O que pensa do futuro em relação aos aprendizados da pandemia? Não sou eu que digo que Niterói fez um excelente trabalho no combate à pandemia. É a própria sociedade, como apontam as pesquisas. Basta vermos os artistas niteroiense famosos que moram fora da cidade, mas têm família aqui em Niterói: Zélia Duncan, Leandro Hassum, Samantha, Paulo Gustavo, todos elogiaram o prefeito Rodrigo Neves na conduta do governo no combate ao vírus em suas redes. Ou construímos um mundo mais igualitário, com menos destruição ambiental e menos circulação de produtos e pessoas, ou vamos agonizar na Terra.

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.