Dia de São João sem festas nas ruas e sem feriado em Niterói

Prefeitura antecipou homenagem ao padroeiro da cidade por causa da Covid A catedral de São João Batista no Centro de Niterói, em 1915. Foto: Augusto Malta. Fogueiras e quentão costumam agitar as festas de São João neste 24 de junho em Niterói, quando a cidade comemora o dia do seu padroeiro. Com a pandemia de Covid-19, porém, só festas juninas virtuais serão realizadas. Nada de procissão ou missas lotadas. As igrejas foram autorizadas pela prefeitura a realizar celebrações desde a segunda-feira 22, mas apenas com capacidade reduzida, sem aglomerações, com distanciamento entre os fiéis. A Paróquia de São João Batista teve origem na capela de Carri, Carahy ou Icarahy, fundada em 1660. A construção foi ampliada para receber a imagem de São João Batista. Em 1744, a obra foi concluída, e então levada para lá a imagem do Santo Padroeiro e a pia batismal. Quando o coro da capela desabou, a paróquia foi transferida para a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, no Centro. A construção da atual igreja começou em março de 1842. As obras ficaram paradas por oito anos e só em 1854 a igreja foi aberta aos fiéis. Em junho daquele ano a imagem do Padroeiro foi levada da velha matriz para a nova, numa festa que contou com a presença do Imperador e da Imperatriz. A decoração interna, feita pelo artista italiano Colossi, custou 120 contos de réis em 1929. A eletricidade chegou em 1911. O órgão da igreja foi inaugurado com grande festa em 22 de junho de 1947. A comunidade católica de NIterói hoje está empenhada em construir uma nova catedral, projetada por Oscar Niemeyer. O projeto abaixo é para o futuro. A velha catedral é História, como História será a pandemia de Covid em alguns anos.

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.