Escolas terão de oferecer ensino remoto como opção mesmo com retorno de aulas presenciais

Governo do Estado sancionou lei que garante a oferta do ensino on-line para alunos que não quiserem retornar à escola antes de vacina Lei é válida para escolas públicas e particulares. Foto: Divulgação Instituições públicas e privadas do Rio serão obrigadas a oferecer as opções de ensino remoto e presencial - quando começar a reabertura das escolas - até que uma vacina ou medicamento contra a Covid-19 seja autorizado. A lei foi sancionada pelo governador Wilson Witzel nesta quinta-feira (27) e é válida para todas as escolas do Estado do Rio, mesmo que em regime de rodízio. Em Niterói, há uma expectativa de retorno presencial do Ensino Médio para o dia 14 de setembro. Conheça a opinião de uma especialista. A medida prevê que as instituições comuniquem aos estudantes ou responsáveis, com antecedência mínima de 30 dias, a data prevista para a retomada das atividades presenciais, garantindo a opção do ensino remoto. Atividades pedagógicas, exercícios e provas de ambos (presencial e remoto) deverão ter o mesmo conteúdo ou material equivalente, de acordo com as diretrizes pedagógicas da instituição. No caso de estudantes de escolas públicas que não tiverem, comprovadamente, os recursos tecnológicos mas quiserem optar pelo ensino remoto, a lei prevê que o Poder Público (federal, estadual ou municipal) poderá disponibilizar as condições necessárias para tal opção. Além disso, será proibido acréscimo de cobrança nas tarifas das escolas particulares. - Teme-se que estudantes sejam obrigados a uma exposição perigosa, o que poderia colocar em risco sua própria saúde e a de seus familiares ou até mesmo suscitar nova onda de contágio comunitário. Assim, é importantíssimo que possamos garantir que profissionais de ensino e alunos não sejam prejudicados, caso se sintam inseguros para frequentar as escolas - declarou o deputado estadual Waldeck Carneiro (PT), presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia da Alerj e um dos autores da lei. A escola ficará responsável por escolher os professores que vão lecionar em turmas presenciais ou remotas, mas deverá ser respeitada a prioridade para docentes do grupo de risco no formato on-line. Além disso, instituições públicas e privadas devem assegurar aos profissionais de educação auxílio para o trabalho remoto, oferecendo programas de formação continuada sobre temas e metodologias do ensino-aprendizagem em meios remotos. Em Niterói, as escolas particulares trabalham com a expectativa de retorno para o Ensino Médio a partir do dia 14 de setembro e do Ensino Fundamental para a semana seguinte. A informação foi discutida entre o Sinepe-RJ, que representa as escolas privadas, e o Prefeito Rodrigo Neves, mas não foi confirmada oficialmente pela Prefeitura. Depois do anúncio, muitos pais criticaram a decisão e já sinalizam que não vão autorizar o retorno de seus filhos. A data prevista para o retorno da rede municipal não foi divulgada. Leia mais sobre o assunto.

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.