Estudantes do Colégio Pedro II são aprovados na Universidade de Cambridge

Para cobrir os custos, os alunos criaram campanha de financiamento coletivo Da esquerda para direita: Louise Willner, Sávio Martins e Caroline Corrêa De Niterói para o mundo. O concurso de redação do Programa de Educação Imersiva (Immerse Education Program) mudou o rumo de três estudantes do Colégio Pedro II, em Niterói. É que eles foram selecionados para participar do programa de cursos de verão oferecidos pela Universidade de Cambridge, no Reino Unido. A aprovação no concurso conferiu aos estudantes bolsas de descontos e a oportunidade de estudar na renomada Universidade da Inglaterra em julho de 2021. O concurso reuniu candidatos do mundo todo na disputa por bolsas de descontos. Agora, eles têm como missão arrecadar doações para cobrir o custo da viagem de 15 dias, que inclui os almoços e o valor complementar do curso, que abrange as aulas, as demais refeições e a estadia nos alojamentos. Pensando nisso, os estudantes apresentaram propostas criativas a fim de viabilizar o projeto de estudar no exterior. Os temas das redações foram diversos, mas todos têm em comum a colaboração para a sociedade, trazendo assuntos pertinentes e promovendo o debate. A relevância da ONU no cenário atual foi o tema abordado por Louise Willner de 17 anos, moradora de Santa Rosa, que ganhou 30% de abono para o curso de Relações Internacionais. Louise conta que ficou eufórica ao receber a notícia, mas não demorou muito para começar a pensar em formas de viabilizar o curso, já que, apesar de ter a bolsa de 30%, as despesas envolvidas são bem pesadas, principalmente levando em consideração o alto valor da libra. Para concretizar o sonho de longa data, a jovem optou por fazer uma campanha de financiamento coletivo online. - Eu comecei a achar que estudar fora estava um pouco distante da realidade e então resolvi mandar mensagens para todo mundo, enviei e-mail para o Colégio e para várias organizações. Até que um tempo se passou e eu recebi uma mensagem da Inspira Sonho, uma organização que tem como objetivo democratizar as oportunidades internacionais. Eles foram muito calorosos e deram a ideia da venda de rifas e eu me animei. Eu tive um engajamento muito intenso de forma muito rápida. Não esperava que as pessoas fossem ajudar, tanto contribuindo, quanto divulgando - contou. A campanha, que tem nível nacional de participação, consiste na venda de uma rifa que está valendo uma cesta de papelaria. Cada rifa é vendida por R$ 2,50, mas é possível fazer doações de qualquer valor. A meta é de R$ 23 mil, o necessário para auxiliar no custeio das despesas. Segundo a estudante, apenas a passagem aérea não está contemplada nesse valor. Os interessados em ajudar podem acessar o link do financiamento coletivo: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajude-a-louise-a-chegar-em-cambridge e da rifa: https://rifeme.com.br/comercio/ajude-a-louise-a-chegar-em-cambridge/ Louise conta que sempre teve muita vontade de estudar fora e está especialmente empolgada para o curso, que é apresentado para os alunos como uma experiência no meio acadêmico, pois se trata de uma abordagem diferente do que estamos acostumados no Ensino Médio brasileiro. - Eu estou muito animada. Nós vamos entrar em contato com pesquisadores internacionais, com uma visão de mundo e bagagens diversas. As turmas serão pequenas, o que facilita a dinâmica do aluno e professor. No final do curso ainda vamos ter uma simulação diplomática, o que é muito bom para minha área, pois quero cursar Relações Internacionais”, conta Louise, sem esconder sua empolgação com a oportunidade. O estudante Sávio Martins, de 17 anos, também aderiu ao movimento de campanha de financiamento coletivo online. Ele ganhou 20% de desconto para o curso de Física após escrever um artigo sobre a importância da disciplina e uma tese sobre a hereditariedade do conhecimento começando pela antiguidade até os dias atuais. - É uma experiência totalmente nova para mim. Minha vida escolar foi sempre aqui, com os mesmos métodos. Desde pequeno eu tenho como sonho atuar no campo de pesquisa. Quero estudar Nanotecnologia e seguir a carreira de pesquisador. Acho que vai ser uma oportunidade única e estou muito curioso para estudar Física Quântica – revela o estudante. Nascido e criado em Rio Bonito, Sávio é mais um de muitos dos estudantes que precisou se mudar para morar mais perto da sua escola. Atualmente ele mora em Icaraí, junto com sua irmã. A vaquinha virtual criada por Sávio tem como meta R$ 5 mil, o suficiente para efetuar a matrícula no curso. Para ajudar, basta clicar no link: https://benfeitoria.com/saviodariocmbd. Moradora do Ingá, Caroline Corrêa, de 15 anos, ganhou uma bolsa, também de 20%, na disciplina de Futuras Líderes Mulheres, depois de escrever sobre o modelo feminino do século XXI. Devido a uma questão de saúde, Caroline ainda analisa a possibilidade de realizar o curso, pois possui diabetes e precisa usar a insulina constantemente. - O tema da redação me tocou muito. A gente vive em uma sociedade em que a mulher está até hoje tentando encontrar seu lugar e conquistar os seus direitos. Vivemos no modelo patriarcal, então são muitas mudanças necessárias. Acho que o tema combinou muito comigo, com o que eu acredito. Eu estou muito animada. Acho que vai ser uma experiência surreal, mas ainda temos muita coisa em jogo para avaliar. Além de tudo, é uma evolução pessoal, uma oportunidade de ficar mais independente. Ter a consciência de que o mundo não é só onde a gente vive, pois cada um tem suas dificuldades, suas diferenças – destacou Caroline. Após a notícia da aprovação, a família Corrêa agora está tentando uma estratégia para a viagem. O fato de ir para fora do Brasil sozinha deixou os seus pais aflitos, já que ela pode ter alguma indisposição e necessitar de um amparo. A ideia é que seu pai a acompanhe nessas duas semanas. Caroline ainda não sabe como funcionará e, por conta disso, ainda está resolvendo se fará uma campanha de financiamento online. Questionado sobre a possível ajuda aos estudantes, a direção do Colégio Pedro II informou que será preciso encaminhar a solicitação de um servidor da instituição para assumir a autoria da ação e acompanhar os alunos. - Em diversas situações, enviamos muitos estudantes para cursos, torneios, olimpíadas e outros eventos em diferentes lugares, tanto no Brasil quanto no exterior, mas sempre em equipe e acompanhados por servidores da escola. Esse caso traz um desafio maior, mas ainda estamos amadurecendo a ideia. Os estudantes pediram auxílio à Reitoria, que ainda vai fazer uma verificação de disponibilidade orçamentária. Precisamos compatibilizar a demanda de modo que os alunos sejam acompanhados por um servidor da escola com as datas diferenciadas dos cursos – explicou Mônica Coimbra, diretora da unidade de Niterói.

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.