Família e amigos dizem que músico da Grota foi preso por engano em Niterói

Prisão também levanta suspeita de racismo; Prefeito pede atenção ao caso para que "injustiça seja reparada" O violoncelista Luiz Carlos Justino, que teria sido preso injustamente. Foto: Divulgação Parentes e amigos denunciaram nesta sexta-feira (4) que o violoncelista Luiz Carlos da Costa Justino, de 22 anos, foi preso injustamente e vítima de racismo em Niterói. Integrante da Orquestra de Cordas da Grota, uma comunidade em São Francisco, o músico estava voltando de uma apresentação, com dois colegas, quando foi abordado por policiais no Centro de Niterói, na noite de quarta-feira (2). Foi levado à 76 Delegacia Policial e ficou preso porque contra ele havia um um mandado de prisão, da 2ª Vara Criminal de Niterói, por roubo de celular em 2017. Leia mais: Estudo mostra que em Niterói negros vivem 13 anos menos que os brancos Amigos e integrantes da orquestra dizem que ele foi acusado por engano. Na época, a vítima fez o reconhecimento por uma fotografia. Mas, segundo o processo, o crime teria ocorrido no mesmo dia e horário em que, segundo amigos e familiares, Luiz Carlos estava tocando violoncelo com o maestro da Orquestra da Grota em uma padaria da cidade. Nesta sexta (4), o Prefeito Rodrigo Neves usou uma rede social para pedir atenção "a esse caso grave contra um jovem niteroiense de uma comunidade de nossa cidade. Que o mais rápido possível o recurso judicial feito pelo advogado da família possa ser acolhido e que Luiz Carlos seja colocado em liberdade e a injustiça reparada", escreveu o Prefeito. Rodrigo Neves afirmou ainda que Luiz Carlos é integrante do projeto da Orquestra da Grota há 16 anos, segundo foi informado por Paes Selles, maestro e professor do grupo. "O Luiz Carlos ainda está detido. Evidentemente que decisão judicial deve ser cumprida, mas não poderia deixar de me pronunciar sobre o caso. Um jovem, músico, negro e morador de uma comunidade, está sofrendo ao que tudo indica, uma injustiça. E isso não pode perdurar", afirmou o Prefeito. Segundo a Polícia Civil, o inquérito de 2017 que resultou no mandado de prisão foi concluído com base em provas colhidas na investigação. O músico já foi levado da 76ª DP para cadeia de Benfica, no Rio, onde é feita a triagem para a transferência para presídios.

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.