Médica de Niterói relata como tem sido o enfrentamento da Covid-19 em aldeia no Xingu

Raíssa Cardoso atua no Mato Grosso, na porção Sul da Amazônia brasileira, onde vivem 16 etnias Raíssa Cardoso com uma de suas pacientes no Xingu Raíssa Cardoso, niteroiense, é médica de Família e Comunidade e foi atuar na saúde indígena no Dsei Xingu, na equipe de resposta rápida para o enfrentamento do Covid-19. O território indígena do Xingu fica na região nordeste do estado do Mato Grosso, na porção Sul da Amazônia brasileira. Nele vivem 16 etnias. A médica niteroiense fez um relato de uma de suas muitas descobertas para o A Seguir: Niterói: Aldeia Piyulaga Julho-Agosto 2020. No aruák Waojopai (!), na gíria goiana só o ouro! O Waurá, que tanto me ensina, segue protegido do corona. O segredo é isolamento e reza. "Mas não é essa reza de branco não!" Yanahin e Karapotan me explicaram que é uma reza pra neblina, pro sereno da manhã, são poucos os que sabem e se reúnem na casa dos homens pra rezar. Alguns pajés sonharam que os ventos amaldiçoados do corona passavam por cima da aldeia, sem nela entrar. E eu percebo que passo longe de compreender tantas coisas... Outro dia mesmo conversamos sobre tudo que se perde quando se tenta transformar a língua falada em escrita. E mais ainda se perde nas traduções intraduzíveis pro português. Sempre lembro da nova fala do Orwell, que nada tem a ver com o contexto, mas na história as pessoas vão perdendo a possibilidade de pensar diferente porque as palavras vão sendo cortadas do idioma e quando elas se perdem, se perdem junto os seus sentidos... Aritana, que era o cacique geral do Xingu, faleceu levando consigo o saber de 10 línguas, imagine só... Ritual dos índios no Xingu Piratá me contou de uma palavra que existe no aruák mas não no português- Wintsitxukí - que tem a ver, numa péssima tradução, com um desejo alimentar insatisfeito. Por exemplo, se alguém tem uma vontade forte de comer alguma coisa, e depois esquece, o espírito não esquece desse desejo, e a pessoa pode adoecer por isso. Fiquei pensando se não é assim pra tudo na vida, se a gente não adoece quando se perde do próprio desejo. Mas minha fluência na vida também é pouca... e que nem Riobaldo "eu quase que nada não sei, mas desconfio de muita coisa.." Achei que ao menos eu era letrada no silêncio, mas já percebo que superestimei essa minha habilidade.. "Difícil fotografar o silêncio", adoro esse poema .. Queria fotografar em palavras o exato momento em que o não compreender se torna quase uma compreensão, mas num instante ela já me escapa…

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.