Músicos da Orquestra da Grota fazem ato em frente ao presídio de Benfica

Grupo pede justiça por Luiz Carlos Justino, preso por roubo; jovem estaria tocando na hora do crime Músicos da Orquestra protestam diante do Presídio de Benfica. Foto: Alexandra Seabra O som dos violinos calou as sirenes diante do presídio de Benfica. Integrantes da Orquestra de Cordas da Grota do Surucucu, em Niterói, sacaram seus instrumentos diante dos portões de ferro e “camburões” em protesto contra a prisão do violoncelista Luiz Carlos da Costa Justino, de 22 anos. Ele foi detido na última quarta-feira, 2, no Centro de Niterói, acusado de um assalto a mão armada ocorrido em novembro de 2017. A vítima o teria reconhecido a partir de uma fotografia. Amigos e familiares alegam que se trata de um engano, porque, no mesmo dia e horário do assalto, ele fazia uma apresentação em outro local. Entenda o caso: Músico da Orquestra da Grota é preso por roubo; família e amigos dizem que ele estava se apresentando na hora do crime O maestro da Orquestra de Cordas da Grota, Márcio Selles, denunciou a injustiça. A Orquestra reuniu fotos e vídeos da apresentação ocorrida na hora do crime do qual é acusado. Selles lembrou que Luiz Carlos se junto ao grupo há 16 anos. - Ele convive conosco desde os seis anos. Além de muito talentoso, sempre foi um ótimo rapaz. A gente fala muito desse racismo estrutural que existe no país, mas é preciso botar a mão na massa para mudar essa situação. Eu acho que a arte, a música e o esporte ajudam muito, mas a gente precisa também dos órgãos de governo apoiando essas iniciativas. Espero que tudo se resolva e, em breve, o Luiz Carlos volte ao nosso convívio. Luiz Carlos Justino com violoncelo O advogado Douglas Marcos, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Niterói, ressaltou que o órgão trabalha para tentar reverter a decisão judicial o mais rápido possível. - Eu sei que a família está passando por um momento de muita dor. Infelizmente é mais um caso de racismo estrutural, mais uma medida equivocada, precipitada. Estamos juntos com a família lutando para que o Luiz esteja em liberdade o quanto antes. A mãe de Luiz Carlos, Angélica da Costa, ressaltou ter certeza da inocência do filho. - Estão sendo os piores dias da minha vida, nunca passei por isso. Está sendo muito difícil. Ele é inocente. Se ele tivesse feito alguma coisa, eu, como mãe ia chorar, mas eu ia me conformar porque ele tinha feito besteira. Mas ele não fez”. O produtor da Orquestra de Cordas da Grota, José Carlos Vidal, conhecido como Katunga, também falou sobre a questão do racismo estrutural na sociedade. - Infelizmente isso acontece o tempo todo. Mas hoje, ao menos, a gente pode falar. Será que se o Luiz não fosse negro ele estaria preso agora? Mas nós podemos falar com toda certeza que ele é inocente e vamos lutar pela liberdade dele -, garantiu.

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.