Niterói quer criar empregos na indústria naval e pesqueira

Polo Mar começa este ano com dragagem do canal de São Lourenço Canal de São Lourenço: dragagem vai possibilitar investimentos no setor marítimo de Niterói. Foto: Leonardo Simplício/Prefeitura Uma vocação para o mar. Essa é a essência do plano de ativação da atividade marítima, que pretende estimular as indústrias naval, pesqueira e de óleo e gás, o Polo Mar, que o Prefeito Rodrigo Neves anuncia com um dos pilares do programa de retomada da economia de Niterói. A dragagem do Canal de São Lourenço, que será contratada no próximos meses, é um dos projetos mais importantes do plano de retomada da economia de Niterói. Já era antes da pandemia, e se torna mais importante ainda depois da paralisação das atividades durante tanto tempo. A secretária Giovanna Victer ressaltou em entrevista ao A Seguir Niterói, no mês passado, que a atividade naval tem a capacidade de gerar empregos e renda para a cidade, como poucas. “O investimento feito na dragagem do canal, se paga, facilmente, em seis anos de operação”, assegura. O problema do desemprego não é novo, e a busca de um investimento capaz de ativar a economia está entre as prioridades do governo. “A crise econômica se agravou na pandemia, em novembro já eram 12 milhões de desempregados”, lembrou a secretária. Neste sentido, o Poder Público passou a estudar quais são os setores indutores de Niterói, isto é, aqueles capazes de criar “novas riquezas e gerar prosperidade, não só para o seu nicho, mas para vários outros em volta”. O setor naval é um deles, assim como o setor de saúde e inovação. O estudo feito analisou dados de resiliência de empregos, salário médio das vagas e como o emprego reage aos períodos de crise. Mas Niterói e o entorno acabou perdendo muitos pontos de trabalho em função do declínio do setor naval e é isso que a prefeitura busca retomar ao realizar a obra de dragagem do Canal de São Lourenço. - Lançamos o PoloMar Niterói, que é um plano de desenvolvimento para a frente marítima da cidade. O setor naval, de construção de embarcações, é apenas uma vertente, mas temos outras áreas fortes como de serviço off shore, reparos, condicionamento… toda essa parte de serviço de óleo e gás para as plataformas que estão instaladas na Bacia de Santos - disse Giovanna Victer. O projeto do PoloMar, anunciado em novembro, depende da dragagem do Canal de São Lourenço. A responsabilidade era do Governo Federal, mas devido à falta de iniciativa, a prefeitura pagou pelo estudo de viabilidade da dragagem, o relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA), que foi aprovado pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea), e vai financiar a obra, orçadas em R$ 100 milhões. - O canal está muito assoreado, raso. E os navios que fazem serviços para plataformas de petróleo são muito grandes porque vão para o alto mar, tem um calado mais profundo. Mas a obra também é fundamental, não só para o acesso dos navios, mas pela questão ambiental - ressaltou. Para o projeto, a prefeitura vai investir os recursos dos royalties de petróleo. Por serem recursos finitos, a ideia é utilizar esse montante que será reduzido nos próximos anos em projetos que vão possibilitar um grande retorno como capacidade econômica para a cidade no futuro. - Temos que imaginar, enquanto prefeitura, que a dragagem do canal é como se fosse um bairro com armazéns instalados, bem localizados, mas que estivesse abandonado. O que a prefeitura poderia fazer? Levar infraestrutura para o lugar e é exatamente isso que vamos fazer. Fizemos um programa robusto e estamos seguros de que o investimento para dragar o Canal de São Lourenço vai voltar rapidamente para cidade - sentenciou. Desenvolvido com a participação do presidente da Niterói Negócios, Marcelo Haddad, e com o apoio do economista Mauro Osório, o PoloMar Niterói mapeou oportunidades e desafios do setor para o atual cenário econômico. Entre as suas premissas estão a geração de empregos e prosperidade para o município, a revitalização do polo logístico, industrial e de serviços da frente marítima da Baía de Guanabara e a construção de um legado econômico indutor de desenvolvimento, com adensamento produtivo, promoção de negócios e atração de novos fornecedores. Além da dragagem, o projeto prevê a criação de programas de qualificação técnica, a promoção comercial para atração de fornecedores, editais para o desenvolvimento de tecnologias para o setor marítimo, portuário, pesqueiro e de óleo e gás, a requalificação urbana, de infraestrutura e dos acessos à Ilha da Conceição, e a implementação do terminal pesqueiro. Em evento recente, O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Luiz Paulino, destacou que a dragagem do Canal de São Lourenço vai ajudar na retomada do setor pesqueiro e inclui o Mercado Municipal Feliciano Sodré entre as obras importantes da administração para o desenvolvimento econômico de Niterói. - Temos três projetos que são prioritários: o Mercado Municipal, a dragagem do canal de São Lourenço e o terminal pesqueiro. São projetos aguardados há muitos anos pelo niteroiense e estão na mesma região da cidade. A dragagem do canal vai possibilitar, além da retomada do setor naval, que barcos de pesca de grande porte cheguem ao terminal pesqueiro”. Leia também a reportagem completa sobre os planos de retomada da economia em Niterói.

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.