Niterói reforça controle nos transportes

Nota técnica diz que Covid não cresceu depois da flexibilização mas alerta para manter máscara, isolamento e cuidado nos ônibus e barcas Medição de temperatura no Terminal João Goulart. Foto: Berg Silva/Prefeitura O Comitê Técnico Científico que assessora a prefeitura de Niterói nas medidas de combate à Covid “recomenda maior rigor na atuação de controle nos terminais marítimo e rodoviário, assim como a disponibilização de banheiros e lavatórios de acesso gratuito nestes locais.” Em Nota Técnica divulgada nesta quarta-feira (8), o Comitê alerta que “a situação grave do entorno continua a se constituir em ameaça à população de Niterói. A movimentação intensa de passageiros entre Niterói, Rio e São Gonçalo é um fator de risco e merece atenção redobrada. - Niterói está entre duas cidades que apresentam muitos problemas: São Gonçalo e Rio de Janeiro. Por isso, Niterói tem que estar muito atenta para evitar que volte a ter problemas- afirma o infectologista da UFRJ, Roberto Medronho. O grupo, que reúne especialistas de instituições como a Universidade Federal Fluminense (UFF), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), considera que “a gestão complexa da pandemia através do Plano de Transição Para um Novo Normal tem sido executada de forma eficiente” (...) e “tem permitido a progressiva retomada das atividades sociais e econômicas com o controle simultâneo da propagação da pandemia e seus impactos.” A avaliação considera diversos indicadores para a estabelecer o estágio de evolução da epidemia na cidade, como o número de casos, internações, mortes, mas também a capacidade de atendimento hospitalar e as taxas de contágio de um portador da doença para outras pessoas. De acordo com a nota técnica, no início do plano, o indicador síntese (média de todos os indicadores) estava em 12,38. Após sucessivas quedas, chegou a 7,13. A relação entre número de novos casos semanais para cada 100 mil habitantes também está caindo de forma consistente. Antes em 102,8 infectados a cada grupo de 100 mil habitantes, hoje esse índice chega a 59,20 infectados para cada 100 mil habitantes. - Essa nota técnica é muito importante porque ela comprova que Niterói seguiu as recomendações dos especialistas, fez o dever de casa e teve a ajuda da população – que se conscientizou, respeitou o isolamento social e o uso de máscaras. A Prefeitura, por sua vez, fez investimentos robustos em programas como o Renda Básica, Empresa Cidadã, além da distribuição de máscaras e sanitização de ruas e comunidades- disse o prefeito de Niterói, Rodrigo Neves. A Prefeitura destaca, na divulgação da Nota, que, “para os especialistas, o resultado se deve a ações como testagem em massa, em especial em comunidades, rígido protocolo de funcionamento dos estabelecimentos autorizados a reabrirem suas portas, com treinamento periódico e fiscalização, e à conscientização da população, com a grande maioria usando máscara em ambientes públicos e aderido aos novos hábitos.” - Os dados de Niterói têm mostrado em seu monitoramento diário que o início do Plano de Transição Gradual para o Novo Normal não significou o aumento do número de casos da Covid-19 em Niterói -, sustenta o secretário municipal de Saúde de Niterói, Rodrigo Oliveira. “Observando os óbitos pela data de ocorrência e os casos pelo início dos sintomas, fica claro que o pico da doença ocorreu no final de abril e início de maio e que hoje temos um processo de redução da incidência da Covid-19, o que mostra o acerto das medidas de enfrentamento ao longo da epidemia”. Um estudo da UFF mostra que a letalidade por Covid-19 em Niterói é de 3,41%, o menor índice da Região Metropolitana do Rio. A média estadual é de 4,55%. O Rio de Janeiro registra média de letalidade de 11,44%, São Gonçalo, 8,4%, Itaboraí, 4,96%, e Maricá, 4,21%. Os dados estão disponíveis no portal covid19.getuff.com.br. Um dos integrantes do Comitê, o sanitarista e diretor de Saúde Coletiva da UFF, professor Aloísio Gomes da Silva Júnior, afirma que mesmo com resultados positivos, Niterói deve manter a vigilância. - A evolução dos índices epidemiológicos mostra que Niterói está em uma posição muito boa. Mas não pode relaxar. Pelo contrário, isso leva Niterói a ter mais atenção, principalmente na movimentação de pessoas de outras cidades nos terminais marítimo e rodoviário, já que os municípios do seu entorno ainda apresentam índices muito preocupantes -, destaca o professor. O epidemiologista da Fiocruz, Rômulo Paes Sousa, reforça esta ideia: - As pessoas precisam de acostumar com esse novo momento, que muitos chamam de novo normal. Se isso não ocorrer, teremos o retorno dos níveis de infecção de forma muito alta, acelerada e espalhada pela população. Se isso acontecer, teremos que restringir novamente a mobilidade. De acordo com a Fundação Municipal de Saúde, Niterói tinha, na terça-feira (7), 6.195 casos confirmados de Covid-19, com 414 pacientes em acompanhamento domiciliar e 105 pessoas hospitalizadas. A cidade registrava 226 mortes.

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.