Niterói vai produzir testes PCR, o mais eficaz para detectar Covid-19

Convênio da Prefeitura com a UFF garantirá a realização de 6 mil testes O reitor da UFF, Antonio Claudio: a universidade mais perto da população Niterói terá um centro público de testagem de Covid, produzindo testes e com capacidade para a realização de 1.000 exames por mês. Um convênio da Prefeitura com a Universidade Federal Fluminense (UFF) permitirá a realização de diagnóstico por biologia molecular (rt-PCR) do SARS-Cov-2, causador da Covid-19. Leia também: OMS diz que Há esperança de vacina contra Covid estar pronta ainda este ano Laboratórios da UFF serão ampliados, equipados e terão equipe qualificada para a realização do PCR, considerada a testagem mais seguras para a confirmação da doença. Niterói já realizou mais de 100 mil exames para detectar a Covid. Mas 85 mil foram testes rápidos, cujos resultados precisam ser confirmadas por outros exames. Apenas 15 mil testes foram do tipo PCR, segundo comunicação da Prefeitura. O convênio permitirá a realização de 6 mil testes, um salto considerável na capacidade de testagem do Município. O reitor da UFF, Antonio Claudio Lucas da Nóbrega, informou que o convênio é mais uma iniciativa conjunta para que o conhecimento científico da Universidade se transforme em benefício direto e imediato para a população. -Construímos uma rede de grupos de pesquisa que se relacionam e propusemos o projeto, que é um benefício de curto prazo como mais um esforço de combate à pandemia, mas também deixa um legado amplo para o município e para a UFF que qualifica o próprio serviço de saúde de Niterói, uma vez que método (rt-PCR) também é usado para detectar outros microorganismos - contou Antonio Claudio. O secretário de Saúde de Niterói, Rodrigo Oliveira, afirmou que o projeto tem a finalidade de preparar os laboratórios para o enfrentamento de emergências sanitárias. A Fundação Euclides da Cunha (FEC) será responsável por gerenciar o convênio.

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.