Prefeitura faz 70 mil testes de Covid e Niterói tem 10 mil contaminados

Cidade já registrou 349 mortes e permanece em Alerta Máximo Amarelo-2 O número de casos se mantém entre 400 e 500. Fonte: Boletins da Prefeitura O número de mortes se repete há quatro semanas. Fonte: Boletins da Prefeitura O surgimento de novos casos confirmados de Covid e a notificação de mortes provocadas pela doença não deixa Niterói sair do estágio de Alerta Máximo-Amarelo-2. A cidade registrou neste sábado, 21, 10.040 casos confirmados de Covid- 19, de acordo com o boletim diário da Prefeitura. Desde o início da doença, 349 moradores da cidade morreram. Na última semana epidemiológica, a trigésima-quarta do ano, que é a forma adotada pela comunidade científica para o acompanhamento da doença, foram testados 470 novos casos e registradas 17 mortes - um número que se repete nas últimas quatro semanas. Na semana passada, o Prefeito Rodrigo Neves salientou que a cidade já realizou mais de 70 mil testes. Ou seja, de 70 mil testes realizados, dez mil foram positivos para Covid; ou seja, um de cada sete moradores da cidade que fizeram o teste tiveram a doença, a maior parte, assintomática. (É possível que o número de testes seja maior do que este, uma vez que hospitais, laboratórios e farmácias ofereceram testes, que nem sempre aparecem na conta, enquanto os casos da doença precisam ser notificados. Por outro lado, é preciso considerar também que profissionais de saúde fizeram o teste mais de uma vez.) Os epidemiologistas alertam também que não se deve projetar estes dados para toda a população, sem uma análise mais profunda, porque pode haver distorções. Existe, por exemplo, a probabilidade de que as pessoas que procuraram os exames tenham tido algum sintoma, e no grupo de quem não fez o teste a proporção seja menor. A Prefeitura tem alertado que estes números se referem à data de notificação da doença e não refletem a situação atual da epidemia. No caso dos testes, a Secretaria de Saúde prefere considerar a data dos sintomas informada pelo morador, que pode ter sido semanas atrás. No caso das mortes, a Prefeitura alerta que algumas vezes os números se referem a falecimentos ocorridos em outras datas, e só agora se teve a confirmação da causa da morte por Covid. O acompanhamento da doença por data de notificação é adotado pela OMS e pela Universidade Johns Hopkins, que monitora os dados de mais de 150 países. São os mesmos dados usados para o cálculo da média móvel, exibida pelo Jornal Nacional, para todo Brasil. A Prefeitura deixou de exibir estes gráficos desde o pico da doença, em maio. E questiona os números exibidos pela Secretaria de Saúde do Estado, adotados nos boletins do Ministério da Saúde, maiores do que os que divulga, diariamente. O Comitê Científico que assessora o Prefeito na tomada de decisões sobre a Covid chegou a cobrar transparência da Prefeitura na divulgação dos dados. Depois da cobrança, a Secretaria de Saúde do Município passou a exibir no SIGeo, sistema de informações da cidade, dois gráficos com a evolução da doença. Um deles, se refere aos casos notificados por data dos sintomas. Ou outro, reporta as mortes pelo momento do evento. Mas há um atraso no abastecimento dos dados, porque a triagem e computação é lenta e às vezes o atraso passa de três semanas. O painel exibe também os dados sobre a ocupação dos leitos hospitalares, nas redes pública e privada, que tem se mantido abaixo de 30%, a melhor notícia em relação ao controle da doença. Nos gráficos do SIGeo, os registros são feitos por data dos sintomas e dos óbitos. Mas pode haver atraso de até três semanas no reporte dos dados. Fonte: SIGeo A Prefeitura prefere adotar um índice próprio, que considera diversos fatores para a avaliação da doença, como casos, mortes, ocupação de leitos, taxa de letalidade, entre outros. Mas também neste quadro os dados fornecidos pela Secretaria ao Comitê Científico não correspondem a nenhuma das séries informadas pela própria Prefeitura. Durante toda a semana, o A Seguir Niterói buscou saber com a Prefeitura a origem dos números de casos e óbitos lançados nas planilhas, mas não houve resposta. Veja a planilha relativa ao dia 20 de agosto, disponível no site da Prefeitura. As planilhas analisadas pelo Comitê Científico servem de base para a definição do estágio de alerta no combate à doença. Atualmente, Niterói se encontra no estágio de Alerta Máximo Amarelo -2. Na última reunião, realizada neste sábado, 21, segundo informou uma fonte do A Seguir, os indicadores pouco mudaram e a cidade não conseguiu avançar para o estágio Amarelo-1. A mudança é esperada pela Prefeitura há algumas semanas para permitir nova flexibilização do isolamento. Entre as medidas, está a liberação da volta às aulas. Escolas do ensino médio tem pressionado o Prefeito a seguir o governo do Estado e retomar as atividades a partir do dia 14 de setembro. No encontro do Comitê, os cientistas desaconselharam a reabertura das escolas, até que se tenha um maior controle da doença. Os dados do início e do fim da semana epidemiológica e o avanço da doença

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.