Raíssa Machado não é mais rainha de bateria da Viradouro e fala em 'despedida difícil'

Eleita a melhor no último carnaval, ela ficou sete anos no posto e 14 anos na escola de samba de Niterói Por Gabriel Gontijo Foto: Divulgação Raíssa Machado não é mais rainha de bateria da Unidos do Viradouro, a escola de Niterói campeã do carnaval 2020. Ela foi eleita a melhor rainha de bateria no último carnaval e deixa o posto depois de sete anos. Somando todo o período em que esteve na agremiação, foram 14 anos de participação na escola localizada no Barreto, na Zona Norte da cidade. A decisão pegou de surpresa o mundo do samba. Nem Raíssa nem a direção da Viradouro explicaram quem decidiu pelo desligamento. - É uma despedida difícil porque separa dois corações que se amam e que agora estarão distantes. Mas aprendi que, quando a saudade fica, é sinal de que tudo o que foi vivido não será inesquecível. E muito mais do que apenas dizer tchau deixo minha gratidão ao meu pavilhão! Gradarei todos os momentos que vivemos juntos em meu coração com muito amor, sem nunca esquecer de todo o carinho com que me receberam - disse Raíssa, em nota divulgada por sua assessoria nesta quarta-feira (6). Raissa, que ainda não sabe se fica na Viradouro ou não, mas diz que não abandona o carnaval Pouco depois do anúncio, Raíssa publicou no perfil dela no Instagram que era "uma despedida que dói", pois foram "anos dedicados de ensaios incansáveis na quadra, na rua". Ela aproveitou para agradecer ao presidente da Viradouro, Marcelo Calil, ao Mestre de Bateria, Mestre Ciça, e também aos "ritmistas, diretoria, harmonia, velha guarda, baianas, ala de passista, minhas crianças, mestre sala e porta bandeira". A assessoria de imprensa dela informou que Raíssa não dará entrevistas no momento "por estar triste". Já a Unidos do Viradouro se pronunciou oficialmente através do Instagram comunicando a saída dela do posto de Rainha de Bateria. - A presidência da Unidos do Viradouro comunica a saída de Raissa Machado do posto de rainha de bateria, que ocupou de forma honrosa por sete carnavais. A escola agradece todo empenho dispensado por ela à agremiação e deseja sorte e sucesso em seus novos rumos - informou a agremiação na rede social. Mesmo sem falar sobre o futuro, ela garante presença no carnaval Embora não tenha falado se vai continuar na escola, ela garantiu que não ficará longe do carnaval. A agora ex-rainha da Viradouro aproveitou para pregar uma união entre todas as agremiações do samba e seus integrantes, principalmente as mulheres que integram o carnaval carioca. - Eu me tornei uma mulher do samba e isso estará sempre em mim, aconteça o que acontecer. O carnaval é uma das maiores paixões da minha vida. É uma coisa que eu sempre quis e que me deixa muito realizada em todos os sentidos. Jamais seria capaz de abandonar essa paixão, em especial neste momento histórico de empoderamento das mulheres do carnaval que estamos vivendo. Precisamos aproveitar isso e ter mais sororidade e realmente entrar nessa briga. Deixar a rivalidade restrita à avenida e aos pavilhões. Fora dela somos todas mulheres e carregamos cada uma a sua luta. Isso merece sim ser respeitado, independente de qual seja a história de cada uma salienta. Antes da fama, reprovação nos primeiros concursos Modelo e empresária, Raíssa Machado tem 36 anos, nasceu no Maranhão, mas se mudou para Niterói com a mãe ainda criança, com apenas 2 anos de idade. Estreou no carnaval em 2008, quando foi Rainha do Carnaval de Niterói. Pela Viradouro, foi campeã nos títulos de 2014 e 2018 na Série A e também na conquista do Grupo Especial em 2020, quando a Viradouro foi a vencedora da elite do carnaval carioca após 23 anos. Apesar de ter uma história ligada aos desfiles, o início de carreira foi marcado por dificuldades. Morando até os 23 anos de idade em um pequeno apartamento no condomínio onde a mãe trabalhava como porteira, ela não foi aprovada nos primeiros concursos que fez na própria escola quando a agremiação escolhia quem substituiria a então Rainha de Bateria, a atriz Juliana Paes. Segundo a própria disse no comunicado, ela nunca se viu ocupando tal posto na agremiação, a quem se refere como uma família na despedida - Nunca me vi apenas como uma rainha. Me vejo como qualquer outro componente da comunidade, lutando e se entregando a cada ano pra buscar o campeonato. E isso é muito fruto desse tratamento que recebi deles. Somos uma família e sempre me senti muito à vontade estando perto deles. E talvez por isso, esteja doendo demais toda essa despedida. Mas quero que entendam que tudo na sua vida, tem sempre o seu início, meio e fim. E que nem sempre temos o controle sobre quando será a melhor hora de partir, mas ela sempre chega - disse Raíssa. Casada com o Vice-Prefeito de Niterói, Paulo Bagueira, ela é mãe da pequena Nicole, de 6 anos, e foi escolhida como a melhor rainha de bateria do último carnaval. Além da Viradouro, Raíssa também passou por escolas como Beija-Flor, Mocidade e Unidos do Viradouro. Além disso, já foi Rainha do famoso bloco de rua “Cordão da Bola Preta”.

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.