Saiba o que pode e não pode funcionar no estágio amarelo 2 em Niterói

Número reduzido de clientes, medição de temperatura e máscaras são obrigatórios Loja na Rua Otávio Carneiro, com medição de temperatura na entrada O amarelo nível dois é o penúltimo estágio do plano de transição de Niterói antes do retorno total à normalidade - este apenas quando existir uma vacina para o Covid-19. Apesar do isolamento social estar mantido até 30 de junho, o estágio amarelo 2 permite a reabertura de mais setores do comércio, além de templos religiosos, clubes e parques, todos com restrições. No último sábado, a prefeitura de Niterói publicou as regras e os protocolos sanitários que todos devem cumprir para evitar um novo boom de casos na cidade e a regressão de estágios. O novo decreto traz mudanças no plano de transição gradual. Além dos centros comerciais que são de estilo aberto estarem autorizados a reabrir a partir desta segunda (22), shoppings e centros comerciais fechados poderão voltar a funcionar a partir de 1º de julho. Isto se a cidade não avançar antes para o amarelo nível 1 - quando estes poderão reabrir. O horário de funcionamento de todos os estabelecimentos liberados é de 12h às 20h - o comércio essencial, que já podia abrir antes desta segunda, tem horário mais amplo de funcionamento. Máscara obrigatória A recomendação de isolamento social está mantida até 30 de junho. Por isso, a prefeitura afirma que a saída de casa deve se dar apenas por motivos de trabalho, mercados ou outros gêneros alimentícios, farmácias, motivos médicos ou para visitar, rapidamente, estabelecimentos que já estejam autorizados a funcionar. O uso da máscara facial permanece obrigatória em qualquer contexto, sob pena de multa de R$ 180,00. Podem abrir Com capacidade reduzida em 50%, podem reabrir lojas de rua, clubes esportivos (apenas para atividade individual e sem restaurante), missas e cultos religiosos (estes apenas com 25% de capacidade), auto-escola e cursos profissionalizantes. Neste nível também volta a ser autorizado o retorno do sistema “pague e leve” em restaurantes e drive-thru em shoppings e centros comerciais fechados. Já os centros comerciais abertos, como os da Moreira César e da Região Oceânica e Pendotiba, por exemplo, já reabriram nesta segunda. Essenciais já autorizadas Já estavam liberadas nos níveis anteriores as atividades essenciais como mercados e supermercados, farmácias, padarias, pet shops e postos de combustíveis, além de óticas, lojas de materiais de construção, oficinas mecânicas e de bicicletas, atividades da construção civil, serviços médicos, odontológicos e de fisioterapia, hotéis, indústria do petróleo e gás, lojas de automóveis e concessionárias, restaurantes (entrega apenas), escritórios, imobiliárias, salões de beleza e empresas de manutenção e reparo de máquinas e equipamentos. Shoppings e centros comerciais As lojas de centros comerciais fechados, como alguns de Icaraí, e shopping centers poderão funcionar em sistema drive thru a serem organizados pelas administrações para não haver aglomeração. No entanto, segundo o novo decreto, caso o nível amarelo 2 permaneça até a semana que vem, shoppings e centros comerciais fechados vão ser autorizados a reabrir, com restrição, a partir do dia 1º de julho. Praças e parques As praças de Niterói continuam fechadas para o lazer. No entanto, o Campo de São Bento, em Icaraí, e os Hortos do Fonseca e do Barreto, na Zona Norte, foram liberados para a prática de atividades física individuais, como acontece na orla. O horário será das 10h às 20h30m e todos os visitantes terão a temperatura aferida. Feirinhas e comércio interno não serão permitidos. Exercício físico Praias e quiosques estão proibidos de funcionar, salvo para a prática de exercícios individuais. O horário de liberação do calçadão foi ampliado: de 10h30 às 12h30 apenas para idosos e de 6h às 10h30 e de 16h às 22h para o restante da população. Com o decreto estão permitidos também as atividades físicas orientadas por profissionais de educação física nas praias, como os circuitos, e em locais abertos como clubes, desde que haja utilização de máscara, álcool em gel e distanciamento entre os participantes. Academias seguem fechadas. Escolas e universidades As aulas presenciais em escolas e universidades devem permanecer adiadas por tempo indeterminado. Estes setores não aparecem como liberados nem no nível amarelo 2 e nem no nível 1. A prefeitura ainda divulgará quais medidas serão adotadas. Bares e restaurantes Com exceção de padarias e lanchonetes, o setor da gastronomia ainda está proibido de funcionar de forma presencial. O funcionamento deve ser apenas por delivery e, novamente, no sistema ‘take away’, onde o cliente faz o pedido e apenas busca o alimento. Lazer Teatros, cinemas e casas noturnas, assim como atividades de passeio e turismo também seguem fechados no nível amarelo 2 e no 1. Por conta da quantidade de pessoas em ambiente fechado, o risco é alto de contágio. Termômetros A aferição da temperatura corporal em todos os colaboradores e público/clientes está mantida para todos os setores que estão autorizados a reabrir. Cada estabelecimento deve ter o termômetro digital infravermelho para ser usado ainda na entrada. Criança não pode O decreto proíbe a circulação de crianças de 0 a 12 anos nos estabelecimentos comerciais. Mesmo de máscaras. Esta regra vem causando multa em quem não cumpre. Porém, o novo decreto prevê uma exceção para comércio varejista de vestuário e acessórios, artigos culturais, recreativos e esportivos, que atendem esta faixa etária. Distanciamento O decreto dita regras de distanciamento mínimo entre as pessoas mesmo com o uso da máscara. Além do regime de escala para os colaboradores, o trabalho remoto ainda deve ser priorizado, assim como reuniões virtuais. Os estabelecimentos devem implementar corredores de sentido único para coordenar os fluxos de entrada e de saída e a ocupação dos espaços deve ser limitada. Em espaço fechado, distância de 2 metros, já nos espaços abertos, de 1,5 metro. O estabelecimento é responsável por organizar filas, com fitas no chão, além de monitorar a ocupação e entrada das pessoas. Grupos de risco - clientes O atendimento deverá ser preferencial para pessoas do grupo de risco. Estão incluídas pessoas com cardiopatias graves (insuficiência cardíaca, cardiopata isquêmica, arritmias); pneumopatias graves (em uso de oxigênio domiciliar; asma moderada/grave, doença pulmonar obstrutiva crônica); imunodepressão; doenças renais crônicas em estágio avançado; diabetes mellitus; obesidade mórbida; doenças cromossômicas com estado de fragilidade imunológica (ex.:Síndrome de Down); idade igual ou superior a 60 anos; gestantes, puérpera, e outras condições determinadas pelo Ministério da Saúde. Grupos de risco - funcionários Colaboradores do grupo de risco podem solicitar ao empregador que permaneçam em casa, em trabalho remoto, se possível. Caso o funcionário precise trabalhar presencialmente, o empregador deve assegurar que as atividades sejam realizadas em ambiente com menor exposição de risco de contaminação. Se o funcionário residir com pessoa do grupo de risco, cabe ao empregador decidir se o trabalho deve ser remoto. Protocolo de cuidados Funcionários devem informar, imediatamente, ao estabelecimento caso venham a ter sintomas de síndrome gripal ou resultados positivos para a COVID-19 e se isolar em casa. O mesmo isolamento vale para aqueles que residirem com alguma pessoa confirmada da doença. Os casos suspeitos e confirmados devem ser notificados imediatamente à Vigilância Epidemiológica do município, principalmente, em qualquer suspeita de surto de síndrome gripal no estabelecimento, caracterizada por sintomas de gripe em, pelo menos, dois funcionários. Cuidado nos transportes Independentemente do estágio de transmissão do vírus, todos os operadores de transporte coletivo e individual devem seguir regras. O decreto prevê que funcionários fiquem atentos ao número de passageiros permitidos. Todos, funcionários e passageiros, devem estar de máscara. A limpeza minuciosa dos veículos deve ser diária, porém, a limpeza rápida das superfícies e pontos de contato como roleta, bancos e corrimão devem ser feitas a cada viagem no transporte individual e, no mínimo, a cada turno no transporte coletivo. Álcool 70% deve ser disponibilizado e, de preferência, as janelas devem estar abertas. Serão marcados também sinalizações no chão para o distanciamento dos passageiros. Multas Estabelecimentos e empresas que não seguirem as regras e protocolos sanitários estão sujeitos à advertência, apreensão, inutilização e/ou interdição, suspensão de venda e/ou de fabricação, cancelamento do registro, interdição parcial ou total, cancelamento de autorização para funcionamento, cancelamento do alvará de licenciamento e proibição de propaganda e/ou multa. Como é avaliado O monitoramento da epidemia é feito com a avaliação dos indicadores de propagação do vírus e de capacidade de atendimento do sistema de saúde. A propagação é avaliada levando em consideração a velocidade do avanço do coronavírus, taxa de pacientes internados em leitos clínicos e em leitos de UTI, estágio de evolução, incidência de novos casos e a mortalidade. Já a capacidade de atendimento é avaliada pela mudança no número de leitos clínicos e de UTI, assim como a taxa de ocupação dos leitos, tanto nos setores públicos e privados. Todos os itens avaliados têm pesos, são esses que, somados, determinam o estágio da cidade. Estágios Semanalmente o município é classificado em um sinal de acordo com os indicadores de transmissão e capacidade de atendimento. A divulgação dos resultados analisados e das possíveis mudanças ocorre às sextas para que as novas regras passem a valer na segunda-feira seguinte. Cores A cor roxa significa altíssimo risco, prevê o ‘lockdown’. A vermelha é situação grave, de circulação restrita. O estágio laranja é atenção máxima, já permite a flexibilização de abertura de parte dos estabelecimentos. A cor amarela é dividida no estágio de alerta (nível 1) e alerta máximo (nível 2 - atual).

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.