Saiba por que há diferenças nos dados do Estado e da Prefeitura de Niterói sobre a Covid-19

Especialista explica os motivos que levam a números diferentes sobre casos confirmados e óbitos no município Por Carolina Ribeiro Niterói é um dos municípios que mais testam a população. Foto: Divulgação/Douglas Macedo Todos os dias são divulgados novos dados sobre a Covid-19 em Niterói, no Estado do Rio e no Brasil. São dados oficiais das Secretarias de Saúde, que acompanham a situação da pandemia de coronavírus, mas que nem sempre apontam o mesmo número de casos e óbitos para a mesma cidade. Isso vem acontecendo constantemente em Niterói. Como verificar e entender, então, a exata situação do município? Membro do Comitê Científico Consultivo da Prefeitura para decisões em relação à pandemia, o diretor do Instituto de Saúde Coletiva da UFF, Aluísio Gomes da Silva Junior, ressalta que nenhum dado será absolutamente correto devido à demora na confirmação e na notificação dos casos, além de possíveis duplicidades no sistema. Mas é importante analisar. Leia mais: Comitê prevê estagnação da pandemia de Covid-19 em Niterói pelos próximos meses, sem melhoras O município é responsável por coletar os dados e identificar as pessoas doentes entre os moradores de Niterói. Mas o Governo do Estado também coleta os dados e recebe a confirmação dos exames de laboratórios e clínicas particulares localizadas na cidade e de unidades estaduais. O Estado também recebe as informações de niteroienses que, por algum motivo, realizaram exames em outros municípios, e encaminha os registros a Niterói. Simplificando: é a Vigilância Epidemiológica da Prefeitura quem recebe todas as informações, tanto do município quanto do Estado, e analisa caso a caso para excluir possíveis duplicações ou registros equivocados. Além disso, a equipe também apura a data dos primeiros sintomas para que o caso não seja registrado em semana errada e deturpe a curva de contaminação. - As melhores observações são as curvas móveis, que corrigem essa defasagem. A análise por data de início de sintoma é o dado mais real, pois identifica o dia/semana do caso. Mas o registro não é imediato, os dados dependem de fontes, consultórios, laboratórios, hospitais… - explica o especialista. Prefeitura de Niterói divulga casos por data de sintoma, mas dados demoram a ser incluídos por causa da checagem. Foto: Reprodução SiGeo É por isso que os dados das Secretarias Municipal e Estadual de Saúde diferem sobre os casos e óbitos em relação a Niterói no dia a dia. Na última terça-feira (25), por exemplo, a Prefeitura divulgou que a cidade tinha 10.185 casos confirmados e 353 óbitos, enquanto o Estado divulgou 10.606 casos e confirmou as 353 mortes. - Sugiro, para efeito de acompanhamento da pandemia, consultar uma única fonte porque terá uma lógica interna da obtenção dos dados - ressalta o especialista, completando que, em Niterói, é indicado acompanhar os dados do município: - São os dados com maior possibilidade de correção, mesmo com defasagem e acúmulo por falta de registro no final de semana. Outro detalhe que sempre deve ser pensado é que Niterói testa muito mais casos do que os municípios vizinhos - finaliza. Veja: Novas lojas em Icaraí mostram que economia de Niterói começa a reagir O Prefeito Rodrigo Neves já havia explicado a disparidade dos casos divulgados pelo município e o Estado durante pronunciamento nas redes sociais em meses anteriores, quando a diferença entre os dados já chegou a mais de mil casos. Ele confirmou que pode haver duplicidade de casos, mas que os dados são confirmados pela Prefeitura. - É muito provável que, em alguns momentos, haja um registro maior na Secretaria de Saúde do Estado em relação ao município de Niterói. Como a Prefeitura tem uma Vigilância Epidemiológica bem rigorosa, consistente e preparada, conseguimos identificar e corrigir essas duplicidades de registros. Em Niterói há um banco de dados preciso com todas as informações e rastreamento de cada infectado - afirmou ele, em julho.

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.