Shoppings de Niterói reabrem com cuidados redobrados e fraco movimento

Contato com os clientes agora é sorrindo com os olhos, diz vendedora Por Carolina Ribeiro Câmeras com sistema de monitoramento de temperatura no Plaza. Fotos: Divulgação O primeiro dia de shoppings e centros comerciais de Niterói novamente abertos foi de calmaria e adaptação, tanto para lojistas quanto para clientes. Essa já era a expectativa dos comerciantes e gestores, que acreditam num retorno gradual dos consumidores. A prefeitura autorizou a reabertura dos estabelecimentos com restrições a partir desta quarta-feira (1º), após mais de cem dias fechados. Entre as regras, são obrigatórios a aferição da temperatura na entrada, o uso de máscara e a limitação da capacidade à metade. O horário de funcionamento dos estabelecimentos foi reduzido, e agora podem abrir das 12h às 20h para restringir o número de visitantes. Alguns shoppings, como o Plaza Niterói, adquiriram câmeras com sistemas de monitoramento de temperatura, em vez de termômetros digitais, para dar celeridade ao processo de entrada dos clientes. Também há áreas que separam a porta de entrada da de saída dos visitantes. Um contador de acessos foi instalado no Plaza para evitar ultrapassar a capacidade permitida. Contador de pessoas e portas diferentes para entrada e saída no Plaza: novo normal Egina Lucena é vendedora há três anos da loja especializada em itens para a casa Camicado, no Plaza Niterói. Em seu primeiro dia de retorno ao trabalho, ela disse que sentiu aquele “friozinho na barriga” de começar em um lugar novo. Desta vez, novas instalações e cuidados para o “novo normal”. O período ainda é de adaptação, mas já deu para notar que as pessoas estão mais cuidadosas. - O movimento foi bom para o primeiro dia. Nós nos dividimos entre vender e tomar todos os cuidados necessários para os clientes e para nós. Estamos atentos e, quando percebemos algo, avisamos ao cliente sobre as regras - contou. Ela e seus colegas de trabalho passaram por dois meses de treinamentos em vídeo sobre a necessidade de se proteger e como manter a higienização correta, tanto da loja como dos funcionários. Na quarta-feira, antes da reabertura, também receberam orientações. - Em Niterói, as pessoas são muito ligadas à família, gostam de cuidar da casa. Acredito que será um retorno de muito cuidado, mas com expectativa muito boa. Foi bom voltar a ter contato com os clientes, mesmo que de longe e, agora, sorrindo com os olhos - completou. A autônoma Sarah Oliveira aproveitou o primeiro dia do Plaza reaberto para levar umas peças para análise numa loja. Achou que o shopping estava calmo e ‘vazio’, mas viu também que algumas pessoas já não respeitaram o distanciamento. Em uma das fotos de Sarah na escada rolante, é possível ver que as pessoas não seguem a marcação no chão. - Não senti medo de ir ao shopping e também não achei que as pessoas estivessem receosas lá. Não rodei muito, mas vi que as lojas estão com álcool em gel. Também não está podendo experimentar as roupas. As pessoas precisam trabalhar… - opinou Sarah. Apesar da marcação, alguns visitantes não seguiram o distanciamento. Foto: Sarah Oliveira Mesmo com a reabertura, as praças de alimentação dos shoppings devem continuar fechadas para evitar que haja proliferação do vírus. Tapetes sanitários devem ser colocados nas entradas, assim como totens de álcool em gel, marcação para filas no chão e nas escadas rolantes, além de agentes de desaglomeração. As lojas também devem seguir as normas e estarem atentos para que os clientes cumpram também as exigências. Pouco movimento, mas dentro do esperado no shopping Multicenter, na Região Oceânica O shopping Multicenter, na Região Oceânica de Niterói, também reabriu as portas com cuidados. Proprietária da City Shoes, a empresária Cristina Alves diz que a movimentação no estabelecimento foi dentro do esperado. Lenta, mas positiva. O shopping de Itaipu, diferente do Plaza, já não costuma ter uma grande rotatividade diariamente. - Percebemos mais clientes no final da tarde. Ainda há um certo receio de entrar nas lojas, o fluxo ficou mais pelos corredores, mas é uma questão de tempo até que se acostumem novamente - acredita. Cristina elogiou os cuidados adotados pelo shopping. E diz que também cabe aos lojistas auxiliarem os clientes para que não tirem a máscara na área interna. Além de garantir mais segurança para clientes e funcionários, isso evita possíveis multas por descumprimento de regras e até uma nova onda de transmissão da doença. - Acredito que até sexta as pessoas já estejam mais confiantes de que a visita é segura. Para isso, também estamos divulgando todos os nossos processos de higienização e controle de atendimento. Esperamos que tudo dê certo para que não precisemos fechar novamente - disse Cristina. Os shoppings de Niterói não divulgaram balanço de movimento no primeiro dia da reabertura até o fim da noite de quarta-feira. Também na Moreira César, principal centro comercial de Icaraí, os shoppings e centros comerciais reabriram completamente, com quase todas as lojas funcionando. Só não voltaram mesmo aquelas que, segundo lojistas, não conseguiram sustentar as contas de aluguel e funcionários e devem fechar de vez. E elas não são poucas. É impressionante caminhar pela Moreira César e outras ruas do bairro e ver cartazes de “passo o ponto” ou “aluga-se”. Embora o movimento na Moreira César tenha sido grande durante todo o dia, embora menor do que antes da pandemia, dentro das galerias dos centros comerciais a movimentação era mais tímida, com clientes olhando vitrines mas, em alguns casos, receosos ainda de entrar. - Estou olhando tudo, vendo como está funcionando, os cuidados que estão tomando. E também estou criando coragem. São muitos dias em casa, eu já estava cansada, e acho que a situação da pandemia em Niterói está sob controle, pelo menos é o que diz a prefeitura. Então hoje foi dia de sentir o clima, mas nesta quinta-feira pretendo voltar e fazer umas comprinhas - contou a aposentada Marilucia Azevedo, de 67 anos, moradora de Icaraí.

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.