TSE vai fiscalizar campanha irregular nas redes sociais

Recebeu mensagens em massa no Whatsapp sobre eleições? Qualquer pessoa pode denunciar irregularidades O TSE está atento aos crimes eleitorais nestas eleições, segundo o Tribunal Não basta se revoltar, tem de denunciar. Disposto a combater as fake news e os disparos em massa de mensagens via redes sociais nestas eleições, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou esta semana um formulário online para receber denúncias. Os disparos de mensagens em massa por meio do WhatsApp poderão ser denunciados por um formulário online disponibilizado pelo tribunal. Qualquer pessoa agora pode ajudar a combater as fake news e outros crimes eleitorais denunciando os casos ao TSE. Nas eleições deste ano, pela primeira vez, o disparo de mensagens em massa foi proibido pela Justiça Eleitoral na norma sobre propaganda eleitoral. Os termos de uso do WhatsApp também não permitem a prática. As mensagens do tipo em geral são impessoais e costumam ter conteúdos alarmistas e acusatórios. O eleitor deve fazer a denúncia se receber mensagens suspeitas provenientes, por exemplo, de contatos desconhecidos ou de vários grupos ao mesmo tempo. O próprio WhatsApp se comprometeu, junto ao TSE, a investigar as denúncias e inativar contas suspeitas, encaminhando as informações pertinentes às autoridades. Segundo a plataforma, trata-se de “iniciativa inédita no mundo”. O formulário O formulário de denúncia faz parte de uma série de medidas para combater o que o TSE chama de “comportamentos inautênticos” relacionado às eleições na internet, em especial nas redes sociais. Um exemplo que costuma ser dado é o uso de robôs e contas falsas para promover artificialmente campanhas de ódio contra candidatos e instituições. Tais comportamentos são “muitas vezes provenientes de verdadeiras milícias digitais, organizadas hierarquicamente, com financiamento privado e atuação concertada para a difusão de mentiras e ataques às instituições”, disse o presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso. (Com Agência Brasil)

© 2020. A Seguir Niterói. Todos os direitos reservados. Site por Grazy Eckert e João Marcos Latgé.